geral@igrejalighthouse.com

Eu sou homem, mas tenho de dar a mão à palmatória. Há uma grande crise nos homens e de homens. Esta crise, é uma crise que tem vindo acentuar-se, mas que já vem de longa data. Há medida que o papel do homem tem vindo a degradar, a família e não só, tem vindo a degradar também. 

O homem é diferente da mulher, não é melhor nem pior, tem é um papel diferente que Deus lhe atribuiu. Não faço parte de nenhum movimento machista, mas o homem tem perdido o seu brilho, de se assumir como um verdadeiro homem à luz do evangelho de Cristo. 

Deus criou princípios que quando alterados, por nós, criam graves problemas. Deus criou o homem para ser o líder da família, para dominar, não do modo como alguns poderão estar a pensar, mas do modo como Deus decidiu que deveria ser. Gosto da expressão de Deus: “Macho e Fêmea os criou...”. O homem tem de ser macho e a mulher fêmea. Quando assim falamos, os movimentos feministas se levantam contra, eu até entendo, porque de facto a expressão macho e fêmea têm sido mal interpretado por todos nós, daí que, volto a dizer estamos em crise nos homens e de homens.

Deus decidiu colocar no homem autoridade, estabeleceu o líder da maior instituição de todas, a família. Deus colocou ao seu lado a mulher para o co-ajudar. Esta autoridade tem benefícios e obrigações, benefícios porque, quando é bem exercida trás bênção e favores de Deus sobre a família, obrigações, porque sendo o líder, tem de saber tomar decisões e procurar cumplicidade com a mulher. O evangelho dá algumas dicas: “Amar a sua esposa como Cristo amou a igreja, dando a vida por ela...cuidando dela, protegendo-a, suportando as suas  necessidades, sustentá-la, ministrar a palavra de Deus, orar por ela, pois, também é o sacerdote da casa, respeitando-a, saber coabitar com inteligência, dando honra à mulher, e acima de tudo, nunca a abandonar ou repudiá-la, porque quem assim procede faz com que a sua mulher adultere. Apenas a morte é que os pode separar.”

Algumas pessoas dizem, temos de voltar à família tradicional portuguesa. Eu não concordo, porque a família tradicional portuguesa, é uma família desestruturada, é uma família de traições e adultério, homens com as suas amantes secretas, homens que tratam mal suas esposas, desonrando-as, maus tratos, quer psicológicos, quer físicos, os homens em Portugal têm uma obsessão pelo controle, são no modo geral ciumentos, não deixam as esposas serem mulheres, se algum tiver uma mulher talentosa, o ciúme aumenta  e a tentação de controle e manipulação é grande, muitas mulheres sentem-se sufocadas pelos seus maridos, não admira porque é que assistimos a um aumento de divórcios todos os anos. Mulheres que optam com o tempo, ficarem sozinhas, ou também arranjarem um amante, ao ponto de algumas, se aventurarem em relacionamentos homossexuais. Não admira que os filhos dessas famílias não desejam casar, com medo de que se repita o mesmo que viram em suas casas.  

A igreja e a alguma da sociedade se levanta contra o homossexualismo, ideologia de género, e muitas outras coisas, que não gostamos que esteja a acontecer. Mas tudo isto tem uma origem, uma raiz. Para além da mais grave, que é, a nossa rejeição a Deus e aos princípios de Deus, também tem a ver com a inércia do papel dos homens, o modo como exercem o seu papel, ou melhor, não exercem. Esta falta de autoridade e liderança da parte do homem, cria um vazio de autoridade, que é ocupado por outro tipo de liderança, que não vamos gostar. A anarquia toma o lugar na família, a rebelião e tudo o que é maligno. 

Há falta de homens por natureza, mas também porque alguns e muitos optam por assumir outros papeis, que não são o que Deus decidiu para o homem. Os homens estão a passar para as mulheres o papel da liderança, hoje vemos muitas mulheres, que têm forçosamente tomar a liderança, as mulheres desenvolveram uma capacidade incrível de multi tarefas, elas têm de ser mães, pais, trabalhadoras, mulheres, donas de casa, lideres de empresas, mulheres de negócio, etc...e os homens têm perdido o sentido do “macho”, cada vez mais efeminados, preguiçosos, inertes, a viver ás custas da mulher, tratam mal a esposa e filhos, em caso de divórcio nem sequer cumprem com as pensões que devem dar aos filhos e à mulher e assim vai a nossa sociedade. Não admira o estado do mundo! O vazio de autoridade e da liderança dos homens nas famílias tem trazido desgraça às mesmas. 

Bem sei que nem todos os homens são assim, mas cada vez, são mais raros.

Faço aqui um apelo aos homens, que tomemos o nosso lugar, assumamos as nossas responsabilidades como marido e como sacerdote do lar. Cuida da tua esposa, ama, fala bem dela, honra a tua esposa, pára de andar a ver pornografia, e apega-te à tua esposa, luta por ela, acaba o teu flirt com outras mulheres, se és divorciado e o juiz determinou pagares pensão aos teus filhos e à tua mulher, então vai e paga, arranja outro emprego, sê homem e cuida. Não podemos andar a falar mal das ideologias que aparecem, e depois, nós mesmos somos a causa do aumento daquilo que tanto criticamos. 

Estamos a precisar de homens na família, estamos a precisar de homens na igreja, esta coisa de pensar que igreja é para as mulheres, é um grande erro. É por isso que vemos as mulheres a assumirem tudo, cada vez mais vemos as mulheres na igreja a pregarem, a orarem, a visitarem, a ajudarem, fazem de tudo, elas nunca dizem não. Elas fazem de tudo. Eu pergunto: “Onde andam os homens?” Acreditem que Deus nos pedirá contas! Ahhh eu não tenho geito, ahhh eu estou muito ocupado...em quê? Ocupado andam as mulheres, são pau para toda a obra, e mesmo assim, elas estão sempre prontas! É impressionante! 

Amigos, termino a dizer: Um dia vamos mesmo que prestar contas a Deus, e o assunto é mesmo sério. Homem, a tua família precisa de ti, a tua igreja precisa de ti, esta sociedade precisa de ti. Vamos ocupar o que Deus nos deu e respeitar e honrar a mulher que Deus nos deu.