geral@igrejalighthouse.com

A Família foi a primeira instituição criada por Deus. Ela teve inicio com Adão e Eva e está na base dos relacionamentos humanos. Acredito que, tendo sido fundada ainda antes da própria Igreja, a família é o lugar primeiro onde os princípios de Deus devem ser aplicados.

Atos 4: 32 fala da comunidade em que viviam os primeiros cristãos e descreve-a dizendo:”Era um o coração e a alma dos que criam (…)” - Este é o tipo de união que a nossas famílias devem desejar e construir. Afinal, a Igreja é a união de muitas famílias firmadas em Jesus Cristo, as quais formam uma família muito grande, que constitui o Corpo de Cristo. A unidade de que Jesus falou para os discípulos tem de ser realidade também nas famílias cujo Deus é o Senhor.

Uma família é mais do um conjunto de pessoas que moram na mesma casa e se cruzam no dia-a-dia; Tem de ser um porto de abrigo, um lugar seguro, onde cada um pode ser verdadeiramente o que é sem sentir que isso o faz ser excluído, ou rejeitado, ou pejorativamente criticado, sem prejuízo de que seja também o local onde é corrigido e moldado.

Verificamos que cada vez mais, o trabalho e atividades ocupam muito tempo e os momentos para estar com os membros da família são cada vez mais escassos. Como cristãos, devemos contrariar esta tendência e pedir ao nosso Maravilhoso Deus, a sabedoria da conciliação, priorizando estar com….aqueles que são família connosco.

Estar com o cônjuge é de extrema importância porque é no “estar com” que o relacionamento se fortalece, na partilha, no lutar juntos pelos objetivos de cada um, no acarinhar e no conhecer, a cada dia, um pouco mais… E a união dos pais transparece para os filhos, imprimindo à família a segurança de um lar e não simplesmente uma casa que pessoas partilham.

Existem famílias cujos membros, na verdade, não se conhecem, uma vez que não separam tempo para se ouvirem uns aos outros, para partilharem alegrias e tristezas, medos e seguranças, duvidas e certezas. Para estarem juntos verdadeiramente, como diz Romanos 12: 15, alegrando-se juntos e entristecendo-se juntos. O que importa é não estar simplesmente ao lado, mas estar verdadeiramente com.

Atos 2: 42-47 diz, acerca dos primeiros cristãos, que “(…) perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.” Assim, as famílias devem também perseverar, cultivando esta unidade tão necessária ao relacionamento de corações, de tal modo que sintam o mesmo, como “um só coração e uma só alma”. Tal só é possível se os membros das famílias estiverem realmente juntos, cada um dos membros estando com cada um dos outros membros, na comunhão e no partir do pão e também na partilha da Palavra de Deus e na oração.

Há tempo para tudo na família: Brincar juntos, partilhar juntos, saber ouvir, saber falar, falar de assuntos triviais, falar de projetos importantes para cada um, partilhar refeições, partilhar pensamentos e sentimentos, partilhar experiencias…Partilhar a Palavra e estar junto em oração diante de Deus.

A Bíblia ensina-nos que passar tempo com os nossos filhos é de extrema importância. Em Deut 6:6 -7 lemos:” E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as intimarás aos teus filhos, assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te” - Podemos perceber que Deus pretende que ensinemos com determinação e diligência, a Sua palavra a nossos filhos. Mas podemos também entender que nos é dito que o podemos fazer quer sentados em casa, quer enquanto nos deslocamos, quer quando estamos a deitar-nos ou a levantar-nos. Isto significa, não só que o devemos fazer em todas as circunstâncias, mas que é suposto estarmos juntos com os nossos filhos, em todas elas. Afinal, se não fosse suposto eles estarem presentes - sentados connosco, caminhando connosco, no momento em que nos deitamos ou nos levantamos- não poderíamos intimar-lhes a Palavra.

Assim, Pais e Mães, esta é uma exortação: Amem–se e amem os vossos filhos: Corrijam, protejam, ensinem, acarinhem, escutem com interesse genuíno, partilhem o vosso coração e permitam que eles partilhem os deles, apoiem e gastem do vosso tempo com eles. Lembrem-se que, apesar dos nossos filhos gostarem dos presentes que lhes compramos, e de ter conforto, o que marcará a passagem de cada pai e mãe nas suas vidas é o tempo que lhes dedicam.

 

As relações não são feitas de coisas materiais, mas sim de afetos, de relacionamentos, de …ESTAR COM.