geral@igrejalighthouse.com

Quem não gostaria de integrar uma família perfeita? Quantos já não ficaram a olhar para determinada família e a pensar: ”Uau, que linda família: Perfeita! Como eu gostava que a minha família fosse assim. Não se chateiam, e estão sempre felizes. Que lindo!”

Pois, hoje a minha reflexão é sobre essa família perfeita! Um dos significados de perfeição é ”ausência de defeito”, ou “algo que não pode ser melhorado”. Mas sabemos que, tal como Paulo afirmou não ser perfeito (em Filipenses 3:12), também nenhum ser humano atinge a perfeição, e sempre há espaço para melhoramentos. E como a família (qualquer uma!) é composta por seres humanos, essa ausência de defeito é algo de inatingível também numa família. Todavia, algumas famílias suscitam olhar de admiração e, infelizmente por vezes –sejamos sinceros- alguma cobiça, parecendo “famílias sempre felizes”, quer passeando na rua, quer com as suas lindas fotos postadas nas redes sociais.

Eu gostaria de usar uma analogia para percebermos melhor este conceito de “família perfeita” e o que está por detrás dessas famílias: vamos comparar a família a uma camisa branca que é usada por alguém em palco (comparando ao palco da vida).Quando a camisa está em palco, com as luzes sobre si, totalmente limpa e quase até brilhante, sem nódoa, sem vinco, olhamos e dizemos: “Que linda camisa. Perfeita!” Mas, nós apenas vemos a camisa naquela circunstância. Porém, para que a camisa se mantenha linda aos olhos de todos, ela passa por vários processos: ela é lavada, passando por altas temperaturas, e se tiver uma nódoa é-lhe colocado um produto especifico e é até esfregada. Ela é amachucada e dá voltas e voltas dentro da máquina de lavar e depois ela ainda é exposta à temperatura quente da máquina de secar ou às agruras do ar … Estou certa que se a camisa se queixasse ela soltaria alguns “ais” em todo este processo! E não satisfeitos com tudo o que já se fez a camisa passar, como queremos a camisa perfeita quando ela for para o palco connosco, ao sair do estendal ou da máquina de secar, é ainda pressionada por um ferro quente até ficar sem ruga nem vinco.Assim, para que a camisa seja linda e vista como perfeita aos olhos dos que a vêem, ela passou por um processo; e não foi uma vez, mas várias vezes.Vez após vez e após vez, a camisa torna a passar por este processo, que não acontece (nem tem de acontecer!) diante de olhares de terceiros. Se a camisa ganhasse personalidade e desatasse a fazer resistência ao processo, negando-se a passar por ele, e desejando ser outra camisa qualquer (ignorando que outra bela camisa para ser bela passa também pelo seu próprio processo), as suas nódoas e vincos ficariam visíveis a todos e deixaria de ser apreciada como “perfeita”. Isto é, o processo acontece nos bastidores para que no palco a camisa seja linda e admirada como perfeita.

Com a família é assim também que é suposto acontecer! Ouvindo esta frase da boca de uma amiga, tenho de a repetir aqui: “A Família não é palco, é bastidores”. Isto é, trata-se do lugar onde se trabalha o caráter, onde se lavam as nódoas e tiram os vincos, onde por vezes existem fricções. No palco, apenas tem de estar a camisa “perfeita”.

Portanto, quero dizer a quem lê, que a família perfeita está ao alcance de todos, não estando ao alcance de ninguém. Ou seja, se esta perfeição for vista como “não ter como ser melhorado” ou “não ter qualquer defeito”, ninguém o poderá alcançar, nem individualmente nem como família. Mas todos podemos ter / ser a família perfeita quando permitimos que a nossa família seja bastidores e não palco, e aceitamos trabalhar e ser trabalhado na nossa família.

… elo perfeito?

E na verdade, deixe-me dizer que a sua família é absolutamente perfeita para si! Nenhuma outra família seria melhor para si do que a sua, porque o autor da Vida, Deus, planeou que integrasse essa família, e é nela que Ele molda o seu carácter e o dos outros elementos.

Há, no entanto, uma salvaguarda absolutamente indispensável para que a família possa cumprir o seu papel, de acordo com a plena vontade de Deus. E essa salvaguarda é o Amor, pois apenas ele poderá operar amenizando a dor que acontece inevitavelmente nos bastidores.

Voltando ao exemplo da camisa, acredito que se ela tivesse sentimentos, em todo o processo pelo qual ela passa, ela sentiria de modo diferente caso o processo decorresse com cuidado ou caso sucedesse com agressividade. Assim, o que imprime perfeição à família é o elo perfeito de que a Bíblia fala: “Acima de tudo, porém, revistam-se do amor, que é o elo perfeito.” Colossenses 3:14

Não olhemos a família do outro, cobiçando o que vemos! Há um trabalho nos bastidores para que tal família apareça como “perfeita” aos olhos de quem a vê. Façamos nós esse trabalho, alicerçados e revestidos pelo amor, suportados em Cristo, e veremos no palco o fruto do que é feito nos bastidores.

Que o amor seja o elo perfeito entre os elementos das famílias cristãs e que cada um dos seus elementos possa sentir a sua família como “perfeita” para si!