geral@igrejalighthouse.com
(um texto inspirado em Marcos 2:1-12).

Neste pequeno texto reflexivo, gostaria de abordar a história do paralítico de Cafarnaum, descrita em Marcos 2:1-12. Neste evangelho narrado por Marcos, segundo os testemunhos de Pedro, os milagres de Jesus são bastante evidentes e até ao capítulo 2 são mencionadas três curas milagrosas (a cura do endemoninhado de Cafarnaum, a cura da sogra de Pedro e a cura de um leproso- Marcos 1:21-45). No entanto, enquanto Jesus operava estes milagres, as pessoas questionavam “Que nova doutrina é esta?” (Marcos 1:27), pois Ele falava a vontade de Deus e não ficava pelas curas.

Por esta razão, Jesus ganhava fama e a multidão seguia-O. Contudo, encontro um aspeto muito emocionante no capítulo 2, aquando da cura de um paralítico em Cafarnaum. Em primeiro lugar, destaco que no versículo 2, Marcos diz que Jesus “anunciava-lhes a palavra”. Esta palavra significa o evangelho de Cristo, a palavra de Deus, o Reino da Justiça. Assim, podemos já deitar por terra a ideia que Jesus era um “show-off” e que queria fama, pelos sinais que fazia. O objetivo de Cristo, enquanto esteve na Terra na forma de Homem, era pregar o Evangelho, que reflete o amor de Deus e a Sua justiça.

Em segundo lugar, destaco a ação de cinco homens, relatada nos versículos 3 e 4: “(3)E vieram ter com ele, conduzindo um paralítico, trazido por quatro; (4) E, não podendo aproximar-se dele [Jesus], por causa da multidão, descobriram o telhado onde estava e, fazendo um buraco, baixaram o leito em que jazia o paralítico”. A ação dos quatro homens ao carregarem o paralítico reflete o amor que estes homens tinham, ao proporcionar a oportunidade de ir ter com Jesus a alguém incapaz de se mover. E, finalmente, o quinto homem (recorde-se que eu disse cinco homens!). O paralítico! Embora estivesse imóvel, até o comparavam a um morto (“o leito em que jazia” - Marcos 2:4), ele agiu. O seu coração estava disposto em estar na presença de Cristo.

Eu creio que o seu coração estava disposto em estar na presença de Cristo, pois as Suas palavras ditas no versículo 5 (“Filho, perdoados estão os teus pecados.”) demonstram que o paralítico não estava à procura de um milagre, mas sim de um salvador. Porquê? Primeiramente, vemos, pelos relatos de Marcos, que, quando Jesus voltou a Cafarnaum no capítulo 2, Ele “anunciava-lhes a palavra” (versículo 2). E, em segundo lugar, porque não acredito que a razão da paralisia do homem seja o seu pecado. Deus não “guarda” os nossos pecados como vingança para um dia “aprendermos a não brincar com Ele”. Deus não é sádico, Nele não há maldade.

A grande lição que retiro desta passagem é que o nosso coração deve estar disposto a ser alimentado pela palavra de Cristo, e não pelas curas e pelos sinais. A palavra é que nos salva, é no Evangelho de Cristo que devemos alicerçar a nossa fé! A Palavra é Jesus, Jesus é Deus e é Nele que devo confiar enquanto salvador.

Se nos focarmos apenas nos sinais, vamos ser miseráveis, pois no mundo teremos aflições e nem sempre as condições vão ser favoráveis. O próprio Jesus afirmou que teremos aflições neste mundo (João 16:33), então quem somos nós para contrariar essa realidade?

Que possamos aprender a confiar em Cristo como nosso salvador, alimentando-nos diariamente da Sua palavra, que são as boas novas: o Reino da Justiça e do Amor.

Salomé Fidalgo

10-08-2020